Aprendendo a ser CRITICAL!

A sociedade hiperconectada de hoje está cheia de possibilidades, mas também traz consigo perigos e ameaças relacionados com o cyberbullying, exclusão social, fraude, informações falsas e muitos outros problemas.

De acordo com um estudo do Parlamento Europeu sobre segurança informática, 86% dos europeus sentem-se cada vez mais expostos ao risco de serem vítimas de crimes cibernéticos. Outro fato relevante: 50% de todos os crimes cometidos já são crimes informáticos.

O Eurobarômetro sobre notícias falsas e desinformação on-line (abril de 2018) oferece dados importantes: 85% dos entrevistados pensa que a existência de notícias falsas é um problema no seu país; 83% pensam que é um problema para a democracia em geral. Além disso, apenas 15% dos entrevistados se sentem confiantes de que são capazes de identificar notícias falsas.

O projeto CRITICAL é a nossa proposta para ajudar a formar os adultos europeus para que possam adotar abordagens críticas e seguras ao lidar com informações e notícias on-line. Também queremos apoiar os seus formadores para combater a exclusão digital, melhorar a participação e a coesão social e aumentar a confiança no mundo on-line.

No âmbito deste projeto, projetaremos e criaremos a Plataforma CRITICAL, um ambiente educacional baseado numa metodologia de aprendizagem ativa que permita aos alunos adultos identificar, conhecer e agir diante dos riscos e desafios que as informações e a Internet representam para eles em cada dia.

Project Partners

Os parceiros do projeto, liderados pela MEDIA CREATIVA, são Drosostalida (Grécia), Virtual Campus (Portugal), Folkuniversitet (Suécia) e Business Foundation for Education (Bulgária).

CRITICAL is a project cofunded by the ERAMUS+ programme. The European Commission’s support for the production of this publication does not constitute an endorsement of the contents, which reflect the views only of the authors, and the Commission or the SEPIE cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained herein.

Deixe um comentário